Modelo de OS na saúde avança com menor custo, mas ainda é polêmico


Parceria de OSs- Organizações Sociais com poder público completa 20 anos no país.


Ao completar 20 anos, o modelo de parceria entre o poder público e as Organizações Sociais (OS) está sob escrutínio de uma CPI na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Que investiga irregularidades em serviços prestados em hospitais e unidades de saúde estaduais.

Criado por lei federal em maio de 1998, esse modelo está presente em 24 estados e mais de 200 municípios do país.

Tornando-se uma das principais alternativas de gestão no SUS.


São Paulo foi o primeiro estado a adotá-lo, ainda em 1998.

Hoje existem cerca de 8.400 contratos de gestão (envolvendo estado e municípios paulistas).

Por meio do qual o poder público estabelece serviços a serem prestados e metas a serem atingidas.

Estudos da Secretaria de Estado da Saúde apontam que os hospitais sob gestão das OS conseguem ser até 52% mais produtivos.

E custam 32% menos do que os da administração direta.


Mas o modelo é alvo de muitas polêmicas.

Em São Paulo, um relatório do Tribunal de Contas do Estado enviado à CPI aponta 23 problemas em serviços de saúde geridos pelas OSs.

Como o descumprimento de metas estabelecidas e médicos em número insuficiente e desrespeitando escalas de trabalho.


Segundo o TCE, essas entidades receberam mais de R$ 50 bilhões dos cofres públicos paulistas (estado e municípios).

Nos últimos cinco anos - R$ 38 bilhões somente do governo do estado.

Para o conselheiro Renato Martins, presidente do TCE, o governo do estado falha na fiscalização dos contratos das OSs.

“Não existe qualquer controle prévio para prevenir desvios ou descumprimentos”, disse ele à CPI, em maio.

Martins afirma que, embora haja fiscalização por parte do TCE, isso ocorre, em geral, apenas um ano ou mais depois que o problema já ocorreu.

Segundo o depu­tado Edmir Chedid (DEM), que preside a CPI, ao final dos trabalhos, a comissão deve propor mudanças na legislação.

Tornando mais rigorosos e transparentes os contratos firmados entre o poder público e as OSs.

“O controle hoje é muito frágil, baseado em prestação de contas via software”, diz. A CPI deve seguir até outubro.


Ele explica que foram descobertos casos de empresas controladas por servidores públicos que prestam serviços em hospitais administrados por OS.

“A legislação é clara. Servidor não pode ter relação comercial com o estado”, afirma.

Em nota, a Secretaria de Estado da Saúde diz que preza pela total transparência na gestão de seus serviços.

E que dispõe de mecanismos de monitoramento, fiscalização e controle dos serviços prestados pelas OS.

Reforça ainda que o “cumprimento dos contratos e as prestações de contas são rigorosamente verificados”.


Não Há Comparação

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que sancionou a lei das OS's.

Defendeu o modelo em evento comemorativo de duas décadas da criação.

“Ele (o modelo) não veio para substituir o Estado, mas para flexibilizar a gestão, permitir inovação.

O setor privado pode e deve ajudar o público, desde que tenha controle e fiscalização”, disse.


Durante o evento, foram também apresentados diferentes exemplos de hospitais públicos.

Que ganharam mais agilidade e eficácia com a gestão por meio de OS.

O Hospital de Transplantes do Estado de São Paulo (antigo Hospital Brigadeiro) é um deles.

Após passar do modelo de administração direta para o de OSs, em 2010, houve aumento de consultas, exames, cirurgias e transplantes.

Em 2009, quando ainda era administrado pelo estado, realizou 3.114 cirurgias.

Em 2011, já sob gestão da SPDM (Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina), o número pulou para 6.000.

Em 2017, fechou com 7.636 cirurgias.

Além do aumento na produção, o hospital tem investido em novas tecnologias.

Por exemplo, detém atualmente um aparelho único no SUS para tratamento do câncer de próstata.

Faz operações de até uma hora e meia, com menor risco de complicações como impotência, incontinência urinária ou infecções comuns em cirurgias convencionais.

“O contrato de gestão por OS é um excelente instrumento, traz metas quantitativas e qualitativas.

Você não vê isso num hospital de administração direta.

Isso traz uma transparência de quanto de dinheiro está entrando e quanto está saindo de produção e de qualidade assistencial”.

Declara Nacime Salomão Mansur, superintendente de hospitais filiados à SPDM.


Do ponto de vista científico, no entanto, não há estudos globais mostrando a superioridade de um modelo sobre o outro.

“Como não há avaliação séria e consistente, nem defensores e nem adversários das OS têm razão”, diz o professor da USP Mario Scheffer.

Um dos autores de estudo de revisão sobre o tema.


A médica Ana Maria Malik, coordenadora do FGVSaúde, concorda.

Para ela, ainda não é possível medir resultados das OS no país como um todo.

“Há experiências positivas, mas cada local adota critérios diferentes.

O resultado depende de como são estabelecidos os contratos, do que se pede e de como são seguidos.”


De acordo com Renilson Rehem, presidente do Ibross (Instituto Brasileiro das Organizações Sociais de Saúde).

O modelo cresceu de forma desordenada no país.

“Não é solução mágica. Exige a presença e o controle do estado para que dê certo.”

Segundo ele, o poder público não tem explorado todo o potencial das OS.

Se o gestor quiser, pode saber o que está acontecendo diariamente no hospital, por exemplo.

“Se uma secretaria deixa para descobrir três meses depois que existe um rombo de R$ 20 [milhões], R$ 30 [milhões], R$ 40 milhões é porque falhou.

A OS agiu mal por incompetência ou má-fé e o Estado igualmente agiu mal por incompetência ou má-fé.”

Sobre as denúncias de irregularidades envolvendo OS em várias regiões do país, Rehem diz que é preciso “separar o joio do trigo”.

“Há empresas disfarçadas de OS que entram para ganhar dinheiro”, afirma.


O Ibross, que reúne as 20 OS da saúde mais representativas do país.

Lançou recentemente um selo de acreditação às organizações que cumprem várias normas de segurança e de qualidade.

O objetivo é atestar e reconhecer aquelas que têm um trabalho sério.

A ideia é que isso sirva de parâmetro para o gestor público na hora de escolher uma organização como parceira.


Fonte: Folha de São Paulo

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2018 por W3alpha

  • Facebook Clean
  • LinkedIn
  • Google+
  • Instagram