O hospital mais barato do mundo está na Índia — e dá lucro

Num setor contaminado por todo tipo de ineficiências mundo afora, uma rede de hospitais indiana conseguiu o praticamente impossível: oferecer cirurgias e tratamentos extremamente baratos — e dar lucro.


Fundada pelo médico pessoal de Madre Teresa de Calcutá, a Narayana Health faz uma cirurgia de ponte de safena por apenas 2% do valor cobrado pela média dos hospitais americanos.


Uma cirurgia para tromboembolismo pulmonar, que pode custar mais de US$ 200 mil nos Estados Unidos, sai por menos de US$ 10 mil na rede.


A Narayana passa o bisturi em todo tipo de custo e cuida dos hospitais quase como uma linha de produção.


Os tubos de transporte de sangue são reutilizados; os aparelhos de ressonância e tomografia trocados apenas quando param de funcionar (e não no vencimento da validade); e os materiais hospitalares são comprados do fornecedor mais barato do mercado.


Mais: a rede coloca — literalmente — os familiares dos pacientes para trabalhar. Procedimentos simples, como a troca de curativos ou cuidados higiênicos, são feitos por acompanhantes, liberando tempo para as enfermeiras tratarem um número maior de pacientes em atividades nas quais são cruciais.


O grande diferencial, no entanto, está na produtividade de seus médicos, que fazem seis vezes mais cirurgias por ano que a média dos americanos.


Isso é possível porque a Narayana implementou um esquema diferente para as cirurgias: os cirurgiões mais experientes — e que custam mais caro — entram em cena apenas para completar a parte mais complexa dos procedimentos. O restante é feito por médicos residentes ou enfermeiras mais experientes.


A ideia por trás do conceito, chamado de u p s k i l l i n g , é fazer com que todos trabalhem apenas no topo de sua qualificação.


“Nossas margens por cada cirurgia são pequenas [já que os preços são baixos], mas como fazemos muitas por dia, conseguimos um bom resultado”, um dos médicos resumiu à Bloomberg Businessweek


Apesar de as práticas parecerem pouco ortodoxas à primeira vista, os resultados falam por si.


A taxa de mortalidade é menor que a média americana em alguns procedimentos — o que leva a questionar se as práticas adotadas mundo afora de fato são necessárias ou mais fruto do lobby das empresas do setor e de incentivos desalinhados entre hospitais, convênios médicos e governos.


Na cirurgia de bypass coronário, apenas 1,4% dos pacientes da Narayana morrem 30 dias depois da operação, frente a uma média de 1,9% nos Estados Unidos, segundo o Commonwealth Fund. A rede tem resultados melhores também no tratamento de ataque cardíaco e na substituição de válvulas.


A Narayana foi fundada em 2001 por Devi Shetty, um cardiologista que já realizou mais de 15 mil cirurgias — incluindo uma operação de emergência em Madre Teresa de Calcutá, de quem se tornou médico pessoal.


A convivência com a missionária deu impulso para que ele tentasse resolver um dos problemas que mais lhe afligia: enquanto 2,5 milhões de indianos precisavam de cirurgia cardíaca, apenas 90 mil operações do tipo eram realizadas por ano no país.


A Índia é um dos países mais carentes no acesso à saúde. Menos de 25% da população tem acesso ao serviço (seja ele público ou privado) e mais de 60% tem que arcar com os custos de forma particular, uma das maiores taxas do mundo.


“As empresas japonesas reinventaram a fabricação de carros. É exatamente isso que estamos fazendo na saúde”, disse ele numa entrevista ao T h e Wa l l S t r e e t J o u r n a l . “O que o setor precisa é de inovação nos processos, e não nos produtos.”


De um único hospital, a rede cresceu para 50 unidades e mais de 7 mil leitos. Conquistou investidores como J.P. Morgan e o fundo de desenvolvimento do Reino Unido, o CDC, além de um aporte minoritário do Asian Growth Capital, uma firma de private equity sediada em Cingapura.


A empresa abriu capital na Bolsa de Mumbai no começo de 2016, numa operação totalmente secundária que deu saída a alguns investidores e disparou logo na estreia, chegando a ser avaliada em mais de US$ 1 bilhão no primeiro dia. Hoje, negocia

próxima ao preço do IPO, e o valor de mercado é de cerca de US$ 650 milhões (boa parte da redução no m a r k e t c a p é efeito cambial).


Desde que abriu capital, a empresa não deu um prejuízo. Nos nove primeiros meses do ano fiscal de 2019 (que se encerrou agora em março), a companhia teve um lucro de cerca de US$ 4 milhões.


Agora, a ambição de Shetty é mundial. “Estamos tentando produzir um piloto [de um hospital ultrabarato] que poderia ser seguido pelo resto do mundo”, Shetty disse à B u s i n e s s w e e k .


“Em 10 anos, a Índia vai se tornar o primeiro país a dissociar a saúde da riqueza. Vamos provar que a riqueza de uma nação não tem nada a ver com a qualidade da saúde que seus cidadãos desfrutam".


No seu país de origem, o médico vai ter que aprender a ser ainda mais econômico. O governo lançou um programa de assistência médica cuja meta é dar cobertura gratuita a 500 milhões de indianos.


O programa funcionará em parceria com as redes privadas. O problema: os preços são tão baixos que, por enquanto, não valem a pena nem para a Narayana.


Fonte: Brazil Journal - 31.05.2019


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2018 por W3alpha

  • Facebook Clean
  • LinkedIn
  • Google+
  • Instagram